HumanasBlog


O USO DOS PRAZERES NA CONTEMPORANEIDADE

Posted in Sociedade Contemporânea por Joaquim Cesário de Mello em julho 16, 2009

 

 

Recebemos a seguinte contribuição do psicólogo Fernando Melo que é um rápido ensaio sobre o uso dos prazeres na contemporaneidade, texto este apresentado pelo mesmo por ocasião do seu curso de pós-graduação em Sexualidade Humana (UNICAP). Vamos, pois, reproduzi-lo abaixo para que ao lê-lo possamos refletir melhor sobre o tema que sempre foi e sempre será de maior interesse para toda a humanidade que é a sexualidade humana.

 

O USO DOS PRAZERES NA CONTEMPORANEIDADE:

O QUE É PERMITIDO E O QUE É PROIBIDO, SEGUNDO CRITÉRIOS ÉTICOS

 

Falar sobre o que é permitido ou o que deve ser proibido em se tratando da sexualidade humana nos leva a uma discussão anterior a respeito do “normal” e do “anormal”, o que é uma dificuldade enorme dada a diversidade de comportamentos sexuais. Os estudos têm nos mostrado que cada vez mais o relativismo impera neste campo, contribuindo para tanto a cultura e o conceito de “normalidade” de quem o pratica.
O conceito do que chamamos de “normal” também vai depender, a partir do ângulo observado, ou seja, o social, o biológico, o psicológico ou o ético.

Se entendermos que, do ponto de vista social, o normal é o que é frequentemente aceito para determinada sociedade, também podemos ver que dentro de uma mesma sociedade o critério de normalidade é pautado pelo que o indivíduo “acha” que é normal, sendo o que os outros pensam ou façam de diferente qualificado de “anormal”.

Pelo critério biológico, o “normal” seria o pênis penetrar a vagina, ficando todos os outros comportamentos sexuais no campo dos desviados ou “anormais’.

Sob o ângulo da psique, o interesse estaria mais na compreensão dos fenômenos inconscientes que atuam em um indivíduo para levá-lo a se portar desta ou daquela forma do que na definição de “normalidade”. Porém, Freud acreditava que, entre adultos, qualquer forma de comportamento sexual que tomasse precedência sobre a relação heterossexual representaria um desvio no desenvolvimento sexual. Uma relação sexual sadia ou madura implicaria ter como objeto sexual um indivíduo do sexo oposto e como desejo sexual o coito com ele.

Para discutirmos o campo da ética veremos que ela designa o fundamento moral, o estudo dos princípios teóricos que a constitui. Veremos então que a ética é em primeiro lugar uma relação de si para consigo mesmo, para a condução da própria existência. Sendo assim, a ética pode constituir uma moral, se ela se preocupa com o outro, se ela universalizar a regra de sua ação. Desta forma ela constrói a mínima, uma moral para um dado grupo humano, e a máxima, uma moral propriamente dita, valendo para todos, universal.

Assim, o ângulo ético-moral se confunde, em parte, com o social. Os valores de “certo” ou “errado” daquela sociedade é que serão a moral e o “normal” para aquela comunidade. Porém, também encontramos duplo padrão de moralidade no estabelecimento do “normal” à prática de sexo oral ou anal com a amante ou a prostituta, mas não com a esposa.

Vemos que a sexualidade é uma parte integral da personalidade de todo ser humano. O desenvolvimento total depende da satisfação de necessidades humanas básicas, tais quais desejo de contato, intimidade, expressão emocional, prazer, carinho e amor. Também acreditamos que a sexualidade é construída por meio da interação entre o indivíduo e as estruturas sociais. Saúde sexual, e não “normalidade” sexual, é o resultado de um ambiente que reconhece, respeita e exercita direitos sexuais que dão conta de uma moral e ética social.

Cada forma de sexualidade que cada ser humano apresenta – por mais que, aparentemente esta sexualidade se encaixe, ou não, na “norma” ditada pelos costumes da sociedade na qual ele está inserido ela é única.

Entretanto, o porquê de tal forma de sexualidade ser como é pode ser explicada pelo mito que cada um de nós constrói. Neste sentido, o sujeito cria uma ficção para construir sua autobiografia.

Agora, o discurso limita, sim, o sujeito à sua prática sexual. Por exemplo: para muitos, é muito mais chocante descobrir que determinado sujeito, que até então tem tido uma conduta ético-social acima de qualquer suspeita, apresenta práticas sexuais ditas “desviantes”, do que descobrir que este mesmo sujeito cuja prática sexual enquadra-se no que dita a norma, é um perverso em outras esferas da vida social. No entanto, a forma como o sujeito vive sua sexualidade, não constitui nenhuma garantia de normalidade sob outros aspectos. Assim, é comum ouvir-se dizer: “fulano de tal é sádico”, “aquele outro é fetichista”, descobriu-se que aquele sujeito tão correto, honesto e trabalhador, casado e pai de três filhos, tinha práticas sadomasoquistas com uma prostituta!”, e assim por diante, esquecendo-se que o sujeito vai além disso, e que limita-lo à sua prática sexual é uma atitude perversa. O grande problema é que se as práticas sexuais hoje estão bem mais ‘liberadas”, a sexualidade continua sendo um eterno problema.

Sexualidade tem, é importante lembrar, que ser entendida no sentido mais amplo. Ou seja, não apenas a sexualidade genital. Em psicanálise, sexualidade é tudo que dá prazer: comer, dormir, as necessidades fisiológicas, etc.

Neste sentido, o uso dos prazeres devem ser “permitidos” a partir do respeito a normas morais que interditam o sujeito a “práticas que ultrapassem a receptividade e concordância do parceiro(o), que ele(a) possam ser juridicamente e também nas dimensões biológicas e mentais, responsáveis por suas decisões sobre a participação no ato sexual, lembrando que isto não resume ao contato genital.

Com relação a vivência pessoal, salientamos o respeito que o sujeito deva ter com seu próprio corpo, como também com sua integridade mental, respeitando seus limites.

Assim, não poderíamos condenar a zoofilia, sendo esta uma prática de opção voluntária e que cuidados devam ser tomados, nem também, por exemplo, a troca de casais, desde que haja a concordância dos adultos envolvidos.

Salientamos, todavia, a nossa escolha com a interdição de práticas que firam a liberdade de escolha como a necrofia, pelo desrespeito a esta mesma norma de respeito ao outro, além do tabu primário do incesto.

Fernando Gomes de Melo

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: